sistemas de radiocomunicação

Fabricante de sistemas de radiocomunicação para segurança planeja crescer no Brasil

Neozelandesa Tait Communications cria plano de crescimento no Brasil para os próximos dois anos. Tem como base, investimentos superiores a R$ 40 bilhões anunciados pelo governo federal. Além da polícia militar estar localizada em vários estados do País, fabricante responde pelos sistemas de comunicação de utilities e do Metrô de SP.

A alta demanda do segmento de segurança física no Brasil é a aposta da Tait Communications para crescer 35% no país, nos próximos dois anos, até 2020. Nativa da Nova Zelândia, a empresa atua diretamente no Brasil há quatro anos, oferecendo soluções para comunicações críticas.

Brasil - sistemas de radiocomunicação

Secretaria de Segurança da Paraíba inaugura sistema digital de radiocomunicação da Motorola Solutions

A meta de crescimento baseia-se no potencial do mercado local. Na área de segurança pública, o governo federal já anunciou investimentos superiores a R$ 40 bilhões. A estratégia de crescimento envolve a base instalada no Brasil. Inclui os mais de 20 anos de operação da ex-representante SGM Comunicações (empresa incorporada pela Tait Communications).

A presença da Tait acontece em várias unidades de polícia militar, incluindo São Paulo, Minas Gerais, Paraná, entre outros. Também é presente junto a empresas da área de energia, transporte (inclusive o Metrô de São Paulo), óleo e gás.

“Nossos clientes têm cenários desafiadores. A demanda por soluções convergentes, que funcionem em qualquer rede sem fio, é cada vez mais comum no mercado de segurança”, explica Eugênio Mrozinski Neto, diretor de vendas da Tait.

“Nos outros segmentos, a demanda se repete e pode até ficar mais complexa em função do ambiente de trabalho, como as plataformas de petróleo ou áreas remotas”, complementa.

 

Polícias Militares, Bombeiros e Utilities

O executivo destaca que a unidade brasileira opera desde 2014 com escritório próprio. Porém, tem um histórico de pelo menos duas décadas no país por meio da SGM Comunicações. No entanto, o DNA em comunicações críticas, vem desde 1969, quando a companhia foi fundada na Nova Zelândia.

Hoje, a subsidiária brasileira baseada em São Paulo é o centro operacional no país. Possui estrutura comercial, técnica e de suporte própria. Uma das grandes mudanças é a criação da rede de canais parceiros, que passam a ser divididos e focados em verticais de atendimento.

 

Evento em São Paulo

Além do mercado potencial, a Tait aposta na tecnologia como diferenciação no mercado local. Isso inclui o portfólio de controladoras, terminais, rádios móveis e estações radiobase nas tecnologias P25 e DMR (padrões mundiais para comunicações críticas). Tendo know-how em ativações de redes críticas sem fio, a empresa também aposta na especialidade técnica de serviços. Vai possuir site survey, predição de cobertura de rádio frequência e análise de rede IP, entre outros.

Para ampliar seu posicionamento, a fabricante vai reunir parceiros e clientes em São Paulo. Ocorrerá nos dias 18 e 19 de abril no Consulado Geral da Nova Zelândia. Durante os dois dias a empresa coordena o 1º Fórum de Comunicações Críticas. Palestras, apresentação de estudos de caso e de tecnologias, principalmente DMR e P25 serão apresentados.

“Também vamos apresentar nossos parceiros comerciais do Brasil. Concluíram com sucesso o programa de certificação técnico e comercial, que é um dos mais rigorosos na área de comunicações críticas e que envolve informações sobre compliance, estratégias comerciais e tecnologias”, resume Flávio Marcelino, gerente de canais da Tait.

De acordo com Flávio, a empresa vai reforçar o papel dos Parceiros de Soluções, que empacotam os recursos disponibilizados pela Tait, e dos Adaptadores de Veículos (parceiros que adotam os rádios da marca embarcados nas frotas cuja licitação ganharam). “São dois modelos de parcerias e que não concorrem entre si”, conclui.

Deixe um comentário